A fábrica e a farmácia

Publicado em: 28/06/ 13
Fábrica 1
Fábrica 1a
Fábrica 2a
Fábrica 3a
Fábrica 4a
Fábrica 5a
Fábrica 6a
Fábrica 6b
Fábrica 7a
Fábrica 8a
Fábrica 12
Fábrica 12a
Fábrica 13a
Fábrica 14
Fábrica 14a
Fábrica 14b
Fábrica 15
Fábrica 18

A fábrica foi transformada em centro de arte e desenhos, com diversas galerias sofisticadas.

A farmácia continua ativa, desde 1818.

Pelo menos 300 pessoas trabalhavam na indústria que fabricava roupas, mantas, xales e, a partir da década de 70, também tênis.

A farmácia mantém poucos funcionários e frascos importados da França, há praticamente dois séculos.

A Negociação Fabril de La Aurora foi uma das principais indústrias têxteis do México, desde 1902. Usava maquinário inglês e mais tarde suíço e alemão. Mantinha programas sociais, esportivos e culturais para a comunidade de San Miguel de Allende, no centro-norte do país.

A farmácia, nominada “Moderna”, opera em um espaço restrito em frente à praça maior do povoado de Pátzuaro. Trabalha com manipulação de fórmulas, medicina de patente e perfumaria. Tem instalações idênticas, abrigadas e preservadas no Museu do Estado, em Michoacán.

Ambas tem o poder de se instalar no imaginário das pessoas como representação de uma época. As duas são tradicionais e compõe parte da história mexicana.

A fábrica edificou trajetória de luta e de crescimento econômico. A farmácia é parte da evolução da ciência farmacêutica que se desenvolveu em Michoacán desde o século XVII.

Antiguidades, obras de arte, fotografias, joias, artesanatos finos em vidro e madeira são admirados hoje em dezenas de galerias instaladas na antiga fábrica. É praticamente um museu de arte moderna que mistura máquinas e estrutura antiga com esculturas e pinturas contemporâneas.

A farmácia ainda mantém anúncio das famosas “pílulas da vida” que, no começo do século XX, prometiam estimular estômago, fígado e intestino e combater a maioria das doenças. Eram comprimidos laxativos, de coloração rosada, vendidos a apenas três centavos de dólar.


4 Comentários

  1. Alison Painkiv disse:

    Opa Ike, aqui é o Alison do colégio SESI de Guarapuava, gostaria de saber os principais lugares que ainda pretende visitar para concluir a expedição… Abraço,Fica com Deus!

    • ikeweber disse:

      Alison,

      Finalizo o México e sigo para os Estados Unidos. Vou percorrer o centro-oeste americano e subir até o norte.

      Lugares de muita natureza, esportes e aventura.

      O resto é surpresa, siga acompanhando a expedição. Abço, Ike.

  2. Douglas disse:

    opa ike, tudo bom? eu queria saber se a sua viagem nao seria mais emocionante se voce nao tivesse dinheiro, e tivesse que se virar, pedir comida, carona, ou até mesmo andar, ser uma coisa arriscada, e nao um ambiente controlado.

    • ikeweber disse:

      Não sei se seria mais emocionante, Douglas. Talvez sim, muito provavelmente não, apenas mais precária.

      O risco e a aventura não vêm da ausência de dinheiro.

      Certamente seria uma jornada bem mais limitada, sem condições de atingir muitos lugares e desenvolver várias das atividades que realizo, para ficar na cidade, mendigando.

      Realmente não tenho esse interesse, mas sempre há quem queira experimentar.

      Caronas já peguei, várias. E também circulei a pé, de canoa, barco, ferry, ônibus, van, cavalo, bicicleta…

      Quanto há ambientes controlados, não sei a que você se refere…

      Estou em uma expedição de aventura, com surpresas a toda hora, sem detalhado planejamento e sujeito a mudanças a cada dia.

      Sugiro também a leitura de posts anteriores para ter noção mais ampla da expedição.

      Abço, Ike.


Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *