Você está vendo os artigos na categoria “Equador”

A surpresa, a dureza e a riqueza de viajar

Publicado em: 08/03/ 13

Viajar 1
Viajar 2
Viajar 3
Viajar 4
Viajar 5
Viajar 6
Viajar 7
Viajar 9
Viajar 10
Viajar 11
Viajar 12
Viajar 13
Viajar 14
Viajar 15
Viajar 16
Viajar 17
Viajar 18
Viajar 20

Viajar é olhar pela janela, ao acordar, e ver uma paisagem nova a cada par de dias. É escutar sons, ruídos, idiomas, dialetos ou sotaques diferentes no seu caminhar.

É conhecer distintos modos de vida e conviver com povos mais sofridos. Recordar velhas experiências e partilhar novas visões e ideais.

É ficar doente e não ter com quem contar. Mas é também reconhecer na jornada alguém para se apoiar.

Pode não parecer, mas viajar também é lidar com pequenas situações cotidianas.

É valorizar prato de comida, lugar abrigado para passar a noite e apreciar uma simples camiseta velha encontrada na mochila. Simplesmente limpa.

Viajar é parar para se encantar com o canto de um pássaro.

Digo que é encontrar forçar interna para superar circunstâncias difíceis e cultivar a sabedoria para apreciar os momentos mais sublimes.

Explorar é totalmente diferente de tirar férias ou de sair para descansar.

Muitas vezes significa caminhar por horas, mochila pesada às costas, calor e frio, dormir pouco, não comer, apenas picar. Dividir quarto e banheiro, compartilhar sua única fruta.

Viajar é deparar-se consigo mesmo, mas também é sair de si para encontrar-se com os outros.

É descobrir que o sol nasce sempre igual, mas em tons cada vez diferentes.

Viajar é perder os dias, ficar sem a noção do tempo, para ganhar cada instante da sua vida.

Não é o mesmo do que sair da cidade a trabalho, ou fazer turismo em cosmopolitas capitais.

Sim, é largar tudo, para tudo conquistar. É não ser compreendido, para entender melhor o sentido da existência.

Viajar é surpreender-se a cada dia

Por mais que ler seja fundamental, agradável e interessante, esqueça. Você nunca conhecerá o mundo, de fato, se não viajar.

É viver o instante, apenas sentir e existir. É ser livre, ou experimentar a sensação momentânea, mas também duradoura, de liberdade. É ser feliz.

Encontrei a felicidade servindo, amando, trabalhando…  E, sempre, viajando.

 

“Viajar é devolver a alma para a casa” (Fabrício Carpinejar, poeta).

 

 


Papai Noel Sul-Americano

Publicado em: 25/12/ 12

Papai Noel 1
Papai Noel 2
Papai Noel 3
Papai Noel 4
Papai Noel 5
Papai Noel 6
Papai Noel 7
Papai Noel 8
Papai Noel 9

Não é uma estátua e nem um velhinho de chocolate. É o verdadeiro Papai Noel da América do Sul: nas ruas, suando o traje. Na lida, vendendo chocolate para os motoristas, abordando a clientela e fazendo caixa, honestamente.

É esse o espírito do sofrido povo sul-americano, mas sempre alegre e batalhador. Pelas ruas também há festa, decoração e muita iluminação cênica. Assim recebo a visita da Juliana e juntos compartilhamos nossa ceia natalina. E este blog e a expedição jornalística e cultural De Mochila pelas Américas desejam a você, leitor, um ótimo Natal!


O fim do mundo para os porquinhos-da-índia

Publicado em: 23/12/ 12


Mercado Gualaceo 1
Mercado Gualaceo 2
Mercado Gualaceo 3
Mercado Gualaceo 4
Mercado Gualaceo 5
Mercado Gualaceo 6
Mercado Gualaceo 7
Mercado Gualaceo 8
Mercado Gualaceo 9
Mercado Gualaceo 10
Mercado Gualaceo 11
Mercado Gualaceo 12
Mercado Gualaceo 13
Mercado Gualaceo 14

As imagens impactantes são rotina no pequeno povoado de Gualaceo, a 25 km de Cuenca, no Equador. Prato típico equatoriano, o “cuy”, para nós porquinho-da-índia, é assado na brasa e servido no espeto no Mercado 25 de Junho, Meca do comércio local.

Outra iguaria é o porco assado por inteiro, do rabo à cabeça, e oferecido com batatas cozidas, milho e um molho a vinagrete, com muita cebola. As assadeiras do “chancho” formam uma fila na praça de alimentação.

O mercado movimenta a comunidade nos finais de semana e vende de tudo. Os peixes parecem pendurados em um varal. A carne é alçada aos balcões de madeira e expostas ao toque do freguês. Os frangos dão a impressão que espernearam até morrer, com as pernas espetadas para cima.

O menino, que me fez companhia no delicioso almoço, agradece o presente do Brasil, um bottom com a foto de uma onça pintada. Homenagem recebida com louvor, após comer todo o porco com batatas.