Crônica do viajante

Publicado em: 06/12/ 12

A cama range insistentemente no hotel Virgen del Carmen, em Huaráz, a mais alta cidade do Callejón de Huaylas, a 3.100 metros de altitude. O quarto, mínimo, não permite abrir a porta e a mochila ao mesmo tempo. Acomodações deste tipo, aqui no Peru, se orgulham de divulgar: cama, internet e água quente. A cama rangia, não experimentei a temperatura da água. Fui embora porque a internet não funcionava e eu precisava escrever para vocês.

Troquei pelo hotel Galáxia, que nada tem de interestelar, como podem atestar pela foto. Mas, a 30 soles (R$25,00) a noite, e com a internet mais rápida de todos os pontos da viagem, me instalei para ficar quatro dias.

Abalado por constantes terremotos, o povoado, de 80 mil habitantes, pouco conserva de sua estrutura colonial. Apenas a Rua José Olaya mantém preservados seus casarões e a pavimentação de pedra.

Apesar de pequena, a cidade é agitada, parece estar em constante movimento, e o povo, demonstra ser menos hospitaleiro do que no sul do país. A cidade vive em função do turismo ao redor da Cordilheira Branca, por isso descer do ônibus e caminhar algumas quadras à procura de uma acomodação significa ser abordado quase uma dezena de vezes, mesmo às seis da manhã.

É parte do trabalho dos nativos, mas certo incômodo para o viajante recém-chegado que prefere se situar primeiro, antes de qualquer avalanche de perguntas e ofertas.

A temperatura caiu bastante. A partir de dezembro o dia amanhece frio e nublado, o sol aparece mais para o final da manhã e se mantém até umas três da tarde, quando, nesta época, normalmente chove.

Hoje o meu cabelo recebeu shampoo pela primeira vez, desde o início da viagem, há quinze dias. “Ego blue”, o seu nome. A cor, idêntica ao famoso anti-caspa da década de 80, Selsun Azul. Sim esta é uma viagem de espírito jovem, mas também escrevo para os da minha geração.

Mudança de hábito é algo comum em viagens longas e de aventura, você logo se acostuma. Esta semana despacho de volta para casa cerca de 1/3 da minha bagagem. Impossível continuar viajando tão pesado e percebo que posso ir muito longe com algumas mudas de roupa e equipamentos básicos como lanterna, filtro, saco de dormir, câmera fotográfica, computador e um bom abrigo para o frio e a chuva.

Saio para almoçar e desde minha garrafa de Inca Cola, metade cheia, observo os locais apreciando o “menu del dia”. Comida barata, a 11 soles (R$9,00), mas pouco saborosa. Na agência, o atendente, em baixa temporada, boceja várias vezes para relatar as opções de passeios. Desvio do mau hálito, agradeço, e levanto informações oficiais no posto de polícia e no escritório do Parque Nacional Huascarán, onde está a imponente Cordilheira Branca.

De volta ao novo hotel, o estrado parece não suportar meus 100 quilos de peso. A cama range insistentemente no hotel Galáxia, em Huaráz, a 3.100 metros de altitude.


16 Comentários

  1. Nilceia disse:

    Quando acampo nas férias, também descubro que podemos viver com muito menos roupas e objetos…..

  2. Lorena disse:

    Ike, admiro tua coragem! E acho que isso é uma lição: dá pra VIVER, e não apenas viajar, com bem menos. Boa sorte! Acompanho por aqui.

  3. Sigmar Sabin disse:

    Olá Ike,
    Sua viagem é uma lição de vida para nós, seu exemplo e capacidade de adaptação, nos mostra que no mundo “normal” sempre possuímos e acumulamos mais do que necessitamos.

    Vou usar seu exemplo para escrever na próxima semana aos meus leitores do Bom Dia HOJE.

    Valeu pelas dicas…

    Grande abraço e boas estada nas alturas.

    • ikeweber disse:

      É uma verdade, Sigmar. Temos muito, queremos mais, sofremos com o que não temos e vivemos assim escravizados. Tudo é mais simples do que parece. O que devemos buscar são os valores como adaptação, flexibilidade, ousadia, coragem, criatividade… Abço.

  4. Edilane Marques disse:

    Quando fiz o Caminho da Fé, fui deixando peças de roupas e alguns itens da mochila pelas pousadas. Também descobri que podemos viver, e bem, com muito pouca coisa. Esse tipo de experiência, é um divisor de águas meeeeessmoo nas nossas vidas. Agora: Selsun Azul (kkkkk) é mto legal, rsrsrsrs!

  5. Marcelo Gonçalves disse:

    Sou aluno do colégio Sesi de Campo Mourão.
    Oi. Ike , estou achando muito interessante sua viagem e estou acompanhando . curti muito seu post .

  6. Giovana Giulia disse:

    Olá Ike Sou aluna do colégio SESI de Campo Mourão , Gostaria de saber como você lida cm as dificuldades ao longo do percurso , como você encara tudo isso ?
    Boa sorte , ótima jornada !

    • ikeweber disse:

      Giovana, as dificuldades são grande aprendizado. Há momentos difíceis, mas importantes para desenvolver valores como a flexibilidade, a paciência, o equilíbrio, a tenacidade, a tolerância e a força de vontade. Tudo na prática e não só em mera filosofia.

  7. Luana Ssampaio disse:

    Oi Ike, tudo bem?
    Sou aluna do colégio SESI campo mourão,gostaria de saber qual foi a dificuldade de deixar sua família e amigos para entrar em uma aventura incrível como essa??
    Admiro muito sua coragem, acredito que você sirva de exemplo para muito jovens que sonham em tem uma experiencia como a sua mas não tem incentivo.
    Te desejo muita sorte.

    • ikeweber disse:

      A aventura e a vontade de explorar o mundo sempre fizeram parte do meu DNA, Luana.

      Mas, realmente é difícil deixar tudo para empreender uma longa expedição. É preciso organizar família, casa, trabalho, vida financeira etc para que seja uma iniciativa responsável.

      Também é preciso ter determinação para não se deixar levar pelas situações cotidianas, que sempre tentam nos tirar do caminho do sonho.

      Garanto que vale muito à pena. E é mais simples quando se é ainda mais jovem. Abço.

  8. Aline tainá peixoto Colégio SESI marechal cândido rondon disse:

    Você disse “Hoje o meu cabelo recebeu shampoo pela primeira vez, desde o início da viagem, há quinze dias” imagino como esta sendo complicado, mas ao mesmo tempo um aprendizado pra vida toda, de como podemos sobreviver com tão pouco, boa sorte, estou adorando acompanhar seu blog!


Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *