Terra de plantas, orquídeas e morangos

Publicado em: 19/02/ 13

G a B 1
G a B 2
G a B 3
G a B 4
G a B 5
G a B 6
G a B 7
G a B 8
G a B 10
G a B 11
G a B 12
G a B 13
G a B 14
G a B 15
G a B 16
G a B 17
G a B 18
G a b 19

O dia desperta cedo na área rural de Guadalupe, em meio a plantações de morango, orquídeas e o cultivo de diversas espécies de flores e plantas. O povoado de poucas casas e escasso comércio, entretanto, dorme até mais tarde. A dois mil metros de altitude a temperatura do verão panamenho baixou a 6 C.

A névoa úmida marca o caminho até à entrada do Parque Nacional Vulcão Barú, uma área de 140 quilômetros quadrados com trilhas que percorrem bosques, margeiam rios e encontram cascatas.

Deixo a vila onde não é preciso olhar para atravessar a rua. Saio do povoado no qual o morango é servido em quase uma dezena de modalidades: com creme, sorvete, chocolate, iogurte, batido, gelado e até com vinho ou licor.

Ensaio as primeiras passadas de uma caminhada que iria durar seis horas pela trilha dos Quetzales, fora as paradas para admirar os pássaros, fotografar e conversar com moradores.

A mata canta em diferentes tonalidades. Grita com os Talingos, gorjeia com os Quetzales e pia com diversas espécies de aves, enquanto a trilha muda de forma e de intensidade.

O rio, imenso, banha democraticamente locais, mochileiros e turistas.

Após 10 km, almoço sardinhas com molho de tomate e recuso carona em um caminhão de alface para seguir caminhando pela estrada, outros 10 km até Boquete. Sim, assim se chama o povoado incrustado no Vale da Caldera e rodeado por montanhas e fazendas de café.

Pelo caminho também está instalada a pobreza que assume a forma de choças, casebres ou de precários acampamentos. Aparece na face das crianças retraídas e nas roupas penduradas para secar entre as árvores.

À tarde, as nuvens visitam as montanhas. Muitas vezes chove e o cheiro molhado e agradável da vegetação impregna o olfato. O melhor de tudo é essa sensação de liberdade, de caminhar sem hora para chegar, de encontrar um lugar e não ter tempo exato para permanecer. De alternar montanhas e fazendas, praias e baías, cidades e povoados. Sem saber por quanto tempo vou ficar.


40 Comentários

  1. Veridiane disse:

    Quando você diz o lugar que não precisa olhar pros lados pra se atravessar a rua, se refere que a região tem pouco fluxo de carro?

  2. Gilson Santos disse:

    Ike, muito legal seus post’s, em especial esses dois últimos. Estou prometendo que vou conhecer pelo menos 1 lugar desses tantos que você está conhecendo. E, se possível, vou decidir quando do seu retorno durante um belo capuccino. Boa caminhada, Deus abençoe!

  3. Carol Bosi Beatriz disse:

    Muito bacana Ike!!! Continuo viajando nos seus relatos. Não digo que vou fazer o que você está fazendo, mas um dia ainda vou conhecer alguns desses lugares. Beijão

  4. Lucas Damas' disse:

    Aí sim Ike! A viagem cada vez mais SABOROSA !

  5. Marinho disse:

    Ike, meu caro, tá uma delícia ler seus textos. E, logicamente, dando vontades de conhecer esses lugares. E certamente colocarei alguns deles em meus futuros destinos! Obrigado por isso, cara!!!!

  6. Adriano Pereira disse:

    Ike, como são os panamenhos?

    • ikeweber disse:

      Adriano, é difícil conceituar um povo de forma geral, mas vamos lá. Cada região tem suas características, bem variáveis, visto que passei por povoado e cidade grande, montanha e campo. De maneira geral é um povo muito receptivo, simples e com vontade de ajudar. Conversam com facilidade nas ruas e são prestativos.
      No comércio tendem a ser pouco simpáticos, de cara mais fechada, sisudos, mas nada que incomode.
      Há ainda os de origem índia ou descendentes. Normalmente mais reservados, alguns evitam o contato. Outros falam, mas pouco, são normalmente muito tímidos.

  7. Giovana Giulia disse:

    Olá Ike, Sou aluna do Colégio Sesi de Campo Mourão , é muito interessante saber que moramos na America, e exitem tantas culturas e costumes diferentes , e o mais bacana é viajar junto cm vc e descobrir tudo isso acompanhando o blog !
    Boa jornada !

  8. Silveira disse:

    Ike

    Esta montanha da foto parece muito o Anhangava (Campo escola de escalada) aqui em Curitiba.

    Muito legal seus relatos.

    Tenho uma amiga Médica Veterinária que morou comigo e minha esposa qdo fez faculdade de Veterinária aqui na Federal do Paraná.

    Erika Magaña

    Jefe de Programa de Vigilancia en EEB y Rabia na empresa Ministerio de Desarrollo Agropecuario
    Mora em Colón (Panamá).

    Se precisar de uma força aí no Panamá,pode acioná-la pelo Facebook.

    abraço

    Silveira

  9. Juliana Santos disse:

    Que hermoso lugar, Ike!
    Siempre es bueno saber más acerca de nuestra cultura…
    Admiro su coraje para enfrentar ese largo paseo. Usted es un gran hombre!
    Abrazos 🙂

  10. Ana Lidia disse:

    Hola
    Yo soy Ana estudiante de la colegio sesi
    y me gusta mucho estudiar sobre los paises por donde usted esta viajando 🙂

  11. Luma Zanette disse:

    Hola Ike, muy admirado estas plantas porque me gusta y tengo muchos en casa, tienen un gran día.

  12. Hola Ike, mi nombre es Caroline y tengo 15 años de edad. Yo estudio en la universidad SESI-PR.
    Estoy siguiendo su camino todos los días, estoy muy impresionado por todos estos lugares maravillosos. ¡Qué hermosa es nuestra América!
    Quiero darte las gracias por todo esto! Y buena suerte con el viaje! abrazo

  13. Heloisa disse:

    hola Ike ,mi nombre es Heloisa,y estudio en lo colégio SESI- PR.
    ¡ Gracías por estar compartiendo con nosotros una esperiencia tan incrivel como esta!
    Estamos juntos con usted nesta viaje . =)

  14. Lavinia Costa disse:

    Es todo muy bonito, realmente eres muy valiente!

  15. Taina Siqueira disse:

    ike hola mi nombre y Taina am 15 años de estudio en lo colegio sesi PR
    necesario para explorar estos lugares maravillosos y nos dan la oportunidad de conocer – ellos también le avise, buena suerte (:

  16. Giovanna Tostes disse:

    Que cosa más bella! Es muy interesante descubrir más acerca de nuestra cultura. (Estudiante del Colegio SESI PR)

  17. Natasha Campos disse:

    Hola Ike, y estudio en Universidad de Bandeirantes SESI-PR.
    Sus aventuras son impresionantes e mucho hermosas!!!!!

  18. kemberkawe disse:

    hola, soy SESI Universidad de Bandeirantes-PR, estoy muy apreciado con sus mensajes, estamos muy adimirados con todas sus viagem.abraços

  19. kember kawe disse:

    corrección: hola,soy del colégio SESI de Bandeirante-PR,estoy muy apreciado con sus mensajes estamos muy admirados con sus rajes.Abraços

  20. corrección: Muy interesante este viaje!Estos lugares nos traen muchos aprendizajes.

  21. ketlin leal disse:

    pergunta;
    Quais foram as diferenças de pérsonalidade das pessoas que voce notou em cada país que passou ?
    Obrigada
    equipe:machu picchu MOCHILA 2
    SESI CIC-PR

    • ikeweber disse:

      Equipe Macchu Picchu,

      Demorei um pouco para dar esta resposta, estava refletindo a respeito… Creio que agora, após quatro meses de viagem, é possível comparar e identificar melhor diferenças de personalidade entre os povos de cada país. A princípio, todos soam como hospitaleiros e simpáticos. Depois as diferenças vão ficando mais marcadas.

      Percebo os nicaraguenses como os mais expansivos dentre todos os países visitados até o momento. Também guardam um aspecto machista, uma necessidade que os homens tem de se afirmarem como “machos”. Muitas vezes isso torna o semblante duro, fechado. Mas são extremamente brincalhões e alegres.

      Os colombianos e os costarriquenhos são os mais hospitaleiros, gostam de receber, de trazer ao aconchego.

      Peruanos formam o povo mais sofrido e, assim, mais fechados. Principalmente no norte e cordilheira, região árida e montanhosa. No sul e na costa são mais sociáveis.

      Os panamenhos têm suas particularidades. Não tão abertos ao viajante estrangeiro não são tão conversadores como os habitantes da Costa Rica. Em geral, no comércio, demonstram pouca atenção ao cliente, cara mais amarrada. Mas também são muito gente boa.

      Em comum, os povos latinos são cordiais e gente muito simples. Os norte americanos, que sempre tentaram invadir a América Central, são mais orgulhosos e arrogantes.

  22. Bruno Klempovus disse:

    Ike Qual foi o lugar que vc Passou e Lhe chamou mais atenção ? Colegio Sesi Guarapuava. Abraço Sua jornada Pela america esta Demais 😀

    • ikeweber disse:

      Bruno, cada lugar me desperta interesse por diferentes motivos. Não poderia eleger um único.

      Gostei de todos os países que já percorri até agora. Grande abraço e siga comigo, Ike.

  23. Tainara Caetano disse:

    Teve dificuldade em se relacionar em algum país? E no começo de sua viagem,já possuia um roteiro pronto pelo qual seguir a risca?
    Sucesso, Ike!

    • ikeweber disse:

      Não, Tainara, o relacionamento em geral é muito fácil. Os povos da América Latina se assemelham em abertura e hospitalidade.

      Tinha uma ideia geral do roteiro, mas fui construindo mesmo em detalhes ao longo da viagem. E sigo fazendo assim, mudando de planos a cada momento.

      Obrigado e um abço, Ike.

  24. Aline tainá peixoto Colégio SESI marechal cândido rondon disse:

    Oi, quando você passou por Guadalupe, deve ter sido muito interessante, eu aproveitaria, pois adoro morangos, você provou todas as modalidades? já que são mais de dez.


Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *