De Mochila pelas Américas

Vida Selvagem

em 13 março, 2013

Vida selvagem 0
Vida selvagem 1
Vida selvagem 3
Vida selvagem 3a
Vida selvagem 4
Vida selvagem 5
Vida selvagem 6
Vida selvagem 7
Vida selvagem 9
Vida selvagem 10
Vida selvagem 12
Vida Selvagem 12a
Vida selvagem 13
Vida selvagem 14
Vida selvagem 14a
Vida selvagem 15
Vida selvagem 16
Vida selvagem 17
Vida selvagem 18
Vida selvagem 19
Vida selvagem 20
Vida selvagem 22
Vida selvagem 23a
Vida selvagem 24

Fotos: Ike Weber e Ju Scheller

A vida selvagem é um dos grandes atrativos da Costa Rica. O país tem 161 áreas de preservação ou de observação da fauna e da flora – entre parques nacionais terrestres e marinhos, refúgios, reservas e manguezais – que correspondem a 25% de todo o território nacional.

Há milhares de espécies entre mamíferos, répteis e aves, como a garça-azul e os coloridos tucanos.

Em todas as regiões do país há riqueza natural: montanhas e vulcões; mares, rios e lagoas; cachoeiras e cascatas; florestas tropicais e bosques secos; poços termais.

Só há uma região desértica, nas montanhas do sul.

A úmida região de Tortuguero, junto à costa do Oceano Atlântico, conserva espécies nativas de jacarés: os caimãs, diferentes dos crocodilos pelo tamanho e formato da cabeça.

Sem se alterar, aparente em meio à densa vegetação da mata, o macho espreita o movimento da canoa que desliza pelo rio. A fêmea, de tamanho menor, esconde-se dentro da água, à espera de peixes e aves.

Quando satisfeitos, os caimãs entram em processo digestivo e podem ficar sem comer por 15 dias.

Há três anos, um crocodilo da região matou garoto local que mexeu com o filhote, conta Donis Parrale, guia do Parque. Um dos dois ataques registrados na área.

Com o corpo ereto, em digna postura, a lagartixa-Jesus corre sobre as águas. Por isso o lagarto basilisco recebeu este apelido. O que o difere da vegetação são apenas as marcantes pintas azuis. Atrás do pescoço, a gola natural lembra as pomposas vestimentas das majestades.

Os veados, mãe e filhote, recebem os exploradores no Parque Nacional Manuel Antônio, no outro lado do país.

Na época de seca, de janeiro a abril, os macacos-de-cara-branca voam pelos galhos e buscam alimento próximo às praias. O estardalhaço dos bichos é combinado com caretas e gestos. Perceptivelmente humanos.

Os pacotinhos peludos enrolados nas árvores são bichos-preguiças, capazes de dormir pelo menos 14 horas. Surpreendente também é o comportamento dos répteis Iguana iguana que vivem no topo das árvores.

Sempre “de máscara”, o guaxinim também passa boa parte do dia dormindo, dentro de troncos ocos.

Com olhos gigantes, se comparados ao corpo estreito, a serpente (Imantodes cenchoa) tem veneno que usa apenas para neutralizar pequenos répteis, seu alimento. De hábitos noturnos, é a espécie de cobra mais fina que existe no mundo.

A trilha para observação das espécies noturnas, como as diminutas rãs cristal, tartarugas terrestres e aranhas, é encharcada e só possível de ser percorrida com botas de borracha.

Olhar enfezado, a garça-tigre, de corpo robusto e rajado, alimenta-se de sapos e de insetos. Mas também pode devorar um filhote de caimã.

Tags:, , , , , , ,

38 Comentários link permanente

38 Posts

Post a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *